Baka Friends
Registre-se no Baka Friends para poder aproveitar o melhor do fórum ^-^

\o/

Página 3 de 3 Anterior  1, 2, 3

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: \o/

Mensagem por Yoda em Seg Ago 03, 2009 10:23 am

\o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/

_________________
-•A vidα é fєiтα dє єรcσlнαร, ρσятαитσ, иãσ єรcσlнα иєинυмα! Sєjα υм Bαkα!•-




Me dê uns Rare Candys !!!!!!!!


Iniciou dia 28/02 às 17:41
avatar
Yoda
Bakarômetro
Bakarômetro


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: \o/

Mensagem por Yoda em Seg Ago 03, 2009 10:23 am

\o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/

_________________
-•A vidα é fєiтα dє єรcσlнαร, ρσятαитσ, иãσ єรcσlнα иєинυмα! Sєjα υм Bαkα!•-




Me dê uns Rare Candys !!!!!!!!


Iniciou dia 28/02 às 17:41
avatar
Yoda
Bakarômetro
Bakarômetro


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: \o/

Mensagem por Yoda em Seg Ago 03, 2009 10:23 am

\o/

_________________
-•A vidα é fєiтα dє єรcσlнαร, ρσятαитσ, иãσ єรcσlнα иєинυмα! Sєjα υм Bαkα!•-




Me dê uns Rare Candys !!!!!!!!


Iniciou dia 28/02 às 17:41
avatar
Yoda
Bakarômetro
Bakarômetro


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: \o/

Mensagem por Convidad em Seg Ago 03, 2009 6:20 pm

\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: \o/

Mensagem por Convidad em Seg Ago 03, 2009 6:21 pm

Onwed e_e

\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: \o/

Mensagem por Yoda em Qui Ago 06, 2009 12:07 pm

\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/

_________________
-•A vidα é fєiтα dє єรcσlнαร, ρσятαитσ, иãσ єรcσlнα иєинυмα! Sєjα υм Bαkα!•-




Me dê uns Rare Candys !!!!!!!!


Iniciou dia 28/02 às 17:41
avatar
Yoda
Bakarômetro
Bakarômetro


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: \o/

Mensagem por Yoda em Qui Ago 06, 2009 12:07 pm

\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/

_________________
-•A vidα é fєiтα dє єรcσlнαร, ρσятαитσ, иãσ єรcσlнα иєинυмα! Sєjα υм Bαkα!•-




Me dê uns Rare Candys !!!!!!!!


Iniciou dia 28/02 às 17:41
avatar
Yoda
Bakarômetro
Bakarômetro


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: \o/

Mensagem por Yoda em Qui Ago 06, 2009 12:08 pm

\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/

_________________
-•A vidα é fєiтα dє єรcσlнαร, ρσятαитσ, иãσ єรcσlнα иєинυмα! Sєjα υм Bαkα!•-




Me dê uns Rare Candys !!!!!!!!


Iniciou dia 28/02 às 17:41
avatar
Yoda
Bakarômetro
Bakarômetro


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: \o/

Mensagem por Yoda em Qui Ago 06, 2009 12:08 pm

\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/

_________________
-•A vidα é fєiтα dє єรcσlнαร, ρσятαитσ, иãσ єรcσlнα иєинυмα! Sєjα υм Bαkα!•-




Me dê uns Rare Candys !!!!!!!!


Iniciou dia 28/02 às 17:41
avatar
Yoda
Bakarômetro
Bakarômetro


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: \o/

Mensagem por Yoda em Qui Ago 06, 2009 12:08 pm

post 1000

\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/\o/

_________________
-•A vidα é fєiтα dє єรcσlнαร, ρσятαитσ, иãσ єรcσlнα иєинυмα! Sєjα υм Bαkα!•-




Me dê uns Rare Candys !!!!!!!!


Iniciou dia 28/02 às 17:41
avatar
Yoda
Bakarômetro
Bakarômetro


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: \o/

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 3 de 3 Anterior  1, 2, 3

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum